Neste terceiro livro da coleção Sereia de Vidro, Marcelo Antinori leva o leitor para uma das festas mais tradicionais de São Paulo, a de Nossa Senhora de Achiropita no Bixiga Enquanto Carmen e Zé Luis procuram o sonhado apartamento em Santos, a ser pago com a recompensa ganha de Coutinho, o narrador diverte-se com Ana Pérsia e Verônica nos hotéis da capital. Mal sabia que Luciana, sua mulher – agora livre do amante francês – é contratada pelo chefão do tráfico para organizar a festa da padroeira do Bixiga.

O que deveria ser um novo rumo na carreira de Luciana torna-se um pesadelo na vida do narrador, uma vez que o risco de sua mulher e sua amante se conhecerem pessoalmente nas noites em que o evento rola à solta pelas ruas do tradicional bairro paulistano é enorme.

Teria Coutinho contratado Luciana por coincidência ou ele nutria segundas intenções? Em paralelo, as "mulheres" dos chefões do crime organizado pressionam Coutinho para elucidar quem está matando travestis no centro da Capital. Mistério na Festa da Padroeira é escrito com precisão e fluidez por um dos autores brasileiros mais prolíficos da atualidade no Brasil.

Mistério na Festa da Padroeira é um livro sobre relacionamentos perigosos e ocultos, e entre eles podem haver escorpiões prontos para darem o golpe assim que a situação parecer propícia, entretanto a trama vai nos mostrar que situações perigosas requerem atitude e riscos que se bem planejados podem levar a uma lealdade não antes imaginada, mas que se primava ter.

A coleção Sereia de vidro conta com três volumes:
1- Sereia de vidro
2- Os crimes do dançarino da Sé
3- Mistério na festa da padroeira

Para quem gosta de livros sobre mistérios e homens agindo como meninos perante a cenários não esperados, esta é a leitura ideal, pois o autor combina riqueza, mistérios e o centro da cidade, mostrando que antigas parcerias podem ser de grande valia, mas também podem causar um grande estrago se não bem manejadas, além de um toque LGBT e um mundo por nem todos conhecido.

O que mais me chamou atenção no livro foi o modo que o autor conectou a festa da padroeira e um grupo secreto de amantes com um misterioso espancador que conhecia os esquemas do tráfico no centro da cidade, fazendo com que a descoberta gerasse uma situação inusitada, mas necessária para o desfecho de lealdade entre pessoas perigosas e as vezes imaturas. Além disso, o pulso firme da Madame Heylel destoante para uma mulher surpreendem qualquer leitor.

Em suma, é um livro muito bem escrito que envolve gostos e prazeres os quais não precisam ser expostos a todos, mas quando expostos e bem gerenciados podem trazer alívio e união dos envolvidos, ou seja, não deixe de ler e se deliciar com mais um livro da série.

0 comentários:

Subscribe