15/01/2014

A Gramática do Amor

Postado por Liliane Cristine |

Romance de estreia da autora Rocío Carmona, que é também vocalista de uma banda indie de Barcelona, A gramática do amor é um convite à intertextualidade. O livro, que conquistou público e crítica na Espanha, vem ganhando traduções em diversos países ao contar a história de Irene, uma menina que vive sua primeira desilusão amorosa e que encontra em clássicos como García Márquez, Tolstói, Jane Austen e Murakami o entendimento para as suas emoções e a força para escrever a sua própria “gramática do amor”. 
Um comovente romance juvenil sobre a descoberta do amor, relacionamentos e o poder da literatura.

A Gramática do Amor é o livro de estreia da autora Rocío Carmona que além de escritora é também editora e vocalista de um grupo musical espanhol Nikosia.

O livro conta a história de Irene, uma adolescente espanhola de 16 anos que encontra o amor pela primeira vez. Mas as coisas não são como ela imaginava, e logo se vê perdida em uma tempestade de sentimentos que a faz não acreditar mais no amor.

Para superar a dor da primeira desilusão amorosa, seu professor de literatura Peter  faz Irene embarcar em uma fascinante viagem pelas clássicas e melhores obras literárias românticas existentes. Tendo como lição os mais variados questionamentos sobre o amor nas referentes obras, auxiliando a mesma superar o amor perdido e a descobrir o verdadeiro amor.

O livro tornou-se um dos meus favoritos! Além de a história ser interessante e inovadora, o leitor fica encantado com as citações e questionamentos sobre as diversas obras literárias românticas como as de Jane Austen, Haruki Murakami, Charlotte Brönte, Gabriel García Márquez entre outros. Para quem já leu as obras mencionadas no livro, poderá juntamente com Irene escrever a sua própria gramática literária do amor...

Em suma, A Gramática do Amor é um livro de leitura rápida, mas que envolve o leitor em uma gama de reflexões e citações de livros muito interessantes. Adorei saber um pouco mais sobre algumas obras clássicas que ainda não li e foi maravilhoso relembrar as histórias que já li, podendo refletir como Irene na incansável busca da felicidade e no constante exercício de amar.

Recomendo!

0 comentários:

Subscribe