28/09/2010

Da Pena à Prensa

Postado por Liliane Cristine |

 

Sinopse


'Da pena à prensa' é um livro que reúne a representação da mulher leitora na literatura brasileira e os registros das leitoras sobre seus próprios hábitos de leitura na imprensa feminina. O recorte temporal – 1890 a 1920 – justifica-se pelas mudanças pelas quais o Brasil estava passando, tanto política, quanto culturalmente. Apesar dos novos ares advindos com a Proclamação da República e da instalação de salões, clubes, teatros e bibliotecas, as mulheres ainda sofriam sérias restrições para exercerem o hábito da leitura.

Nos textos literários analisados, encontram-se leitoras de papel e tinta angustiadas, pois livros e felicidade conjugal pareciam nunca render uma boa união. Já as leitoras que se manifestavam na imprensa feminina mostravam-se preocupadas com a influência perversa que a leitura poderia exercer sobre suas filhas. Enquanto pediam conselhos umas às outras, iniciaram uma rede de informações não só sobre autores e obras, como também sobre a arte de escrever poesia, cuidados com a saúde e com a beleza.
Foi bastante interessante a leitura! O livro 'Da pena à prensa' traz os perfis das mulheres, leitoras no Brasil, que viveram de 1890 à 1920. A autora Barbara Heller justamente escolheu esse período devido a cultura européia ter exercido forte influência sobre a estrutura social e econômica no Brasil. Foi nesse período que as mulheres brasileiras começaram gradualmente a se tornar leitoras fluentes e autônomas.

É importante observar que esse processo foi lento. O período analisado pela autora deixa claro que apesar da mulher ter conquistado o seu espaço para dedicar-se à leitura, a mulher leitora e proprietária de uma biblioteca particular devidamente instalada em seu escritório continuou sendo retratada como uma intelectual e de conduta moral duvidosa. A sociedade via o papel da mulher apenas como uma dona de casa, esposa dedicada e boa mãe. Muitos homens neste período não queriam que suas esposas adquirissem o prazer da leitura, devido principalmente ao receio da mulher conquistar novas experiências, novas ideias, novas pessoas, ou seja, gradualmente conhecendo melhor o mundo e um pouco melhor elas mesmas!

A leitura para as mulheres no Brasil, portanto, foi um processo lento, já que seus pais, maridos, a sociedade em sí, escolhia criteriosamente os livros destinados ao público feminino, a fim de preservar a saúde mental das leitoras e a manutenção da moral e dos bons costumes.( Parece incrível que isso tenha realmente existido na mente humana, não é?!).

Bom, além do fator histórico, o livro também apresenta pequenos textos de autores que exploravam e estimulavam o questionamento do mundo em que viviam. Textos esses que instruiam, e consequentemente até motivavam a profissionalização da mulher.

Em suma, o livro foi bastante enriquecedor, foi interessante entender um pouco mais o nosso passado e como a leitura nesse período foi fundamental para a liberdade da mulher...

Recomendo!

3 comentários:

Vivi disse...

Vê só os caminhos que levaram a nós, mulheres, a poder decidir o queremos e quando ler. Chego a me emocionar.
Eu quero ler!

Cláudia Charão disse...

Você sempre trazendo livros diferentes ... olha só como eram as coisas, não que seja 100% agora claro.

Quero ler...

Dri disse...

Como disse a Claudia, você sempre trazendo livros diferentes.

Gostei da resenha e me interessei em ler o livro. No começo desse ano eu fiz um projeto de pesquisa que tratava mais ou menos sobre isso, só que era do leitor em si e só no Rio de Janeiro, nesse período mesmo, que ficou conhecido como Belle époque. Mas não foi aprovado e não foi para frente...

Beijos!

Subscribe